Etiqueta em condomínio: saiba 5 regras básicas para a boa convivência

Quem mora em condomínio sabe bem que pequenos detalhes podem fazer toda a diferença na questão da boa convivência entre os vizinhos, funcionários e o síndico. Por mais que alguns acreditem que morar em prédio é algo chato e cheio de regras, saiba que as questões que podem tornar o ambiente muito mais agradável a todos são relativamente simples, compreendendo principalmente que o direito de um acaba quando começa o do outro.

Confira abaixo cinco dicas sobre como contribuir com a harmonia do seu condomínio a partir de atitudes fáceis de serem tomadas.

1 – Dentro de casa

Mesmo que seja o local onde você poderá fazer tudo que os princípios norteadores da privacidade lhe permitem, ainda assim existem limites referentes ao bom senso para quem mora em prédio ou outra forma de condomínio. Tais limites se referem a não fazer barulho após o período de silêncio determinado pelas regras do local, educar os animais de forma a não perturbar a paz dos vizinhos, instalar tapetes emborrachados no quarto das crianças de maneira que os impactos causados pela diversão delas não provoquem barulho no apartamento abaixo, não jogar objetos pelas janelas e evitar qualquer tipo de comportamento que possa levar algum incômodo a outras pessoas.

2 – Nas áreas comuns

A boa convivência com os vizinhos dependerá muito de como você e sua família se comportam nas áreas comuns do seu prédio. Evite fofocas relacionadas a outros moradores, respeite horários e a higiene de churrasqueiras ou salões de festa, tente resolver rapidamente e de forma solícita qualquer inconveniente com os carros dos vizinhos na garagem, sempre acompanhe as crianças em elevadores, pátios, escadas e outros locais, e, acima de tudo, seja cordial com todos nas reuniões e no dia a dia.

No elevador, cumprimente a todos e exercite a boa convivência, segurando a porta para pessoas com sacolas ou dificuldades de locomoção, mas evite fazer isso por um período longo em horários de pico. Espere as pessoas saírem para você entrar e, se for carregar grandes objetos ou animais, prefira o elevador de serviço.

3 – Funcionários

Lembre-se sempre, em primeiro lugar, de que os porteiros e as pessoas responsáveis pela higienização e manutenção das áreas comuns do condomínio não são seus funcionários. Portanto, não peça a eles para realizarem serviços particulares, mesmo que estejam de folga, de forma a evitar qualquer tipo de desconforto ou situação constrangedora.  Acima de tudo, seja sempre cordial com todos.

4 – Mudanças e obras

As mudanças e as obras modificam a rotina do condomínio, o que pode afetar diretamente a questão da boa convivência entre os moradores. Portanto, antes de qualquer coisa, converse com o síndico sobre condições, horários e outras questões importantes, como a utilização de elevadores, instalação de antenas e toldos na fachada, e todas as questões que possam servir de foco de conflito entre você e os demais moradores.

5 – Empatia

Talvez a regra principal da boa convivência entre você e os demais moradores do seu condomínio seja o exercício da empatia. Antes de qualquer atitude, pense se você não se sentiria incomodado com aquilo, como, por exemplo, uma festa que se estende até altas horas da madrugada, não cuidar bem do lixo, transformar a vaga de garagem em depósito ou permitir que crianças brinquem em elevadores ou escadarias.

Deseja contar alguma situação ou incrementar nossas dicas sobre boa convivência no condomínio? Então, aproveite os comentários abaixo e participe da conversa!

Fonte: Síndico OnLine

Aviso importante:


O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal Confiare não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal Confiare se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *